Contato

Questão ambiental: de moradias irregulares à falta de fiscalização


orfas3-06-08-11Ponta Grossa tem 14 bacias hidrográficas urbanas. Essas bacias são formadas por arroios que, constantemente, representam problemas para a população. Na Vila Liane, o Arroio do Prancha, que faz parte da bacia hidrográfica do Lajeado Grande, está em estado de abandono e falta de preservação.

No ano de 2002, o Núcleo de Estudos em Meio Ambiente (NUCLEAM), da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), desenvolveu o projeto "Ação Ambiental Sanitária na Comunidade", na Escola Municipal Guilherme Telles Bauer, com o intuito de educar ecologicamente as crianças e os pais.

Mas os problemas continuam. “Existe um descompromisso social com o espaço ambiental. É preciso exercitar a cidadania e buscar alternativas para os problemas sócio-ambientais. Mas não é isso que nós vemos nas comunidades”, afirma Maria Aparecida Oliveira, técnica docente UEPG/NUCLEAM.

Segundo a técnica, a Prefeitura já desenvolveu reformas em arroios, construindo áreas de lazer para a população. Um exemplo é o arroio do Madureira, que foi reformado em 2004. “Hoje ele está destruído. A população não cuida. O que se tem lá é depósito de lixo”.

As moradias irregulares agravam os problemas dos arroios. Sem a mata ciliar, que deveria ser de dez metros para rios que tem até cinco metros de largura, a contaminação aumenta. Segundo o advogado Silvino Machado, é função da Prefeitura fazer mais que a realocação dessas pessoas. “Realocar não é o suficiente. É preciso garantir que outras pessoas não utilizem essas áreas para moradia”, afirma.

Em relação ao custo de uma nova moradia, o advogado explica que a Prefeitura não tem obrigação de oferecer tudo gratuitamente. “A Prefeitura pode desenvolver projetos de casas gratuitas. Mas também deve analisar as condições da família para pagar um valor pela nova moradia. O problema é muito mais amplo do que pagar ou não por um novo imóvel”.

Machado explica que, como os arroios estão em quadro urbano, é função da Prefeitura garantir que exista a preservação e a mata ciliar. Os órgãos responsáveis pela fiscalização são o Instituto Ambiental do Paraná (IAP) e a Vigilância Sanitária.

“Falta cobrança e fiscalização por parte dos responsáveis. Em vez disso, ocorre o contrário: as pessoas vão e constroem casas em cima do rio”. Para Maria Aparecida, a questão dos arroios é vista de forma equivocada pela sociedade. “Ponta Grossa considera arroios como um grande problema. Deveria ser considerado como potencial ambiental para oferecer melhoria na qualidade de vida”.

Próximo bloco: Trinta famílias já foram remanejadas em 2011

Bloco anterior: Casas em áreas de preservação não conseguem regularizar serviços

Adicionar comentário

Registre-se no Portal para que seu comentário seja publicado imediatamente. A publicação de comentários de usuários não registrados é feita somente pela administração do site.


Código de segurança
Atualizar

Reuniões setoriais da 16ª Conferência Municipal de Cultura acontecem esta semana http://t.co/Due16UUyX5
Docentes da UEPG retomam paralisação das atividades na próxima quarta-feira, dia 22 http://t.co/WBZaSk6hrQ
Movimentos sociais se reúnem em Belo Horizonte para debater a democratização da mídia http://t.co/luEnKYsuM8
Exposição fotográfica ‘Retratadxs pelo Feminismo’ integra atividades do Colóquio Mulher e Sociedade http://t.co/peufes54Or
4º Colóquio Mulher e Sociedade tem como tema ‘Gênero e políticas públicas’ http://t.co/LqtxU9o98V
Comunidade e UEPG discutem ajustes na política de cotas para pessoas negras http://t.co/G5tiqMGT9u
RT @maria_lucia_b: Professores da UEPG decidem suspender a greve, mas mantêm estado de mobilização http://t.co/ves67CxJ2u
RT @maria_lucia_b: Em novo encontro com a reitoria, estudantes debatem reivindicações apresentadas à UEPG http://t.co/MJCpV0K79z